O TERREMOTO NA GUATEMALA

Certa vez, na Guatemala, um pequeno país da América Central, um jovem Viajante, por volta de 38 anos, sentiu a terra tremer, a complicada sensação que um terremoto o havia pegado.

Por estar sem dinheiro, aceitou um trabalho num boteco numa cidade na costa Atlântico deste país. Um boteco parecido com aqueles que existem na periferia das grandes cidades brasileiras. Mas, por não ter opção, e saber que receberia algo como quinze dólares (30 reais) por semana ficou contente.

universo dos viajantes

A vantagem é que teria a comida garantida, e pela noite, após fechar o boteco poderia usar a torneira para tomar seu banho de balde. Além de, num colchão velho que ali havia, dormir tranquilamente pela noite. Mesmo o local sendo meio perigoso, mas com as portas fechadas estaria seguro.

boteco

Seu trabalho consistia em servir bebidas aos clientes e limpar as mesas. Pela noite a proprietária o deixava trabalhar sozinho. – Era um boteco com umas 4 mesas – A frequência basicamente era de bebuns, muitos desocupados, mas alguns trabalhadores que apenas queriam relaxar após um dia de suor.

Passado uma semana, certa noite, senta numa mesa uma Guatemalteca meio gorda, uns 50 anos, para os padrões tradicionais, considerada feia. Entre um copo e outro chamava o Viajante para acompanhá-la na cerveja que o oferecia. Até a partida de todos os clientes e os dois ficarem a sós.

000

Como já era tarde, hora de fechar os estabelecimento e coerente baixar as portas, pois as ruas se tornavam perigosas. A guatemalteca pede para passar a noite ali com ele, dormir ao seu lado no velho colchão de solteiro. E assim foi a noite, a maior parte do tempo dormindo, pois a mulher nua não era do agrado do Viajante (acho que de ninguém).

Pela manhã, a luz entra pelas frestas das janelas, o Viajante se levanta. Na penumbra busca acender a luz, vai até o banheiro, e ao retornar, para de frente ao colchão com o intuito de acordar a acompanhante noturna, e, sente suas pernas tremerem… Não podia ser verdade, mas o era!

xxx

A mulher acorda, lhe dá um sorriso, as pernas tremeram mais ainda. Após o sorriso, ela percebeu que estava sem a dentadura, a qual estava localizada ao seu lado, rapidamente coloca na boca. Ufa, a terra parou de tremer… Que terremoto passou na vida daquele jovem Viajante: Feia, gorda, bêbada e bangela!!!

terremoto-japao

Dizem que foi uma sensação forte na vida daquele jovem, jamais queria passar ou desejar a ninguém tal situação. Ele estava acostumado a caminhar por terras firmes: Amante das belas matas onde pode permanecer sem esses tremores, e também caminhante e admirador dos desertos, onde a vegetação não se vê.

Fotos cedidas