PRAIA BARRA DO CAHY – BAHIA

E conseguimos, putz, muito contentes estamos!!! Fizemos por caminhos alternativos costeando de Trancoso a Prado na Bahia. Saímos dia 13.06 de Trancoso por volta das 10 da manhã e chegamos em Prado por volta das duas da tarde do dia 15.06. Dizem que são 158 km por este trajeto, não posso afirmar, pois nosso velocímetro/odômetro ficou biruta (achamos que a bateria está fraca).

Como foi a viagem? Nada fácil! Realmente estar com as bikes carregadas, por caminhos/estradas arenosas é sacrificante, pois boa parte do tempo temos que empurrar. Mais ainda não ter placas, passar por entre fazendas, por aldeias dos índios Pataxós, praias, pouquíssimas casas e ninguém a informar. Ficar sem tomar banho durante estes dias, mas isso depois vou relatar. Agora… o que mais gostamos foi isso:

Praia Barra do Cahy, aqui na Bahia, o que tem lá?

Há controvérsias sobre aonde foi que Pedro Alvares Cabral primeiro pisou no Brasil. Há quem diga que foi Porto Seguro, outros Cabrália, outros até já disseram que foi no Rio Grande do Norte. Entretanto, grandes estudos levam a crer que foi na praia Barra do Cahy, ou apenas praia Cahy.

Bem, só tem um restaurante neste local que se chega via Cumuraxitiba (18km), o qual funciona até as 3 da tarde, depois tudo é deserto, ninguém fica ali, salve exceções. E nós estávamos chegando por volta das quatro da tarde ali de bike por um trajeto bem maluco, depois que atravessamos numa canoa um rio com a ajuda de um pescador, vindo de um lugarejo chamado veleiro.

Que praia linda, que local maravilhoso, que baita energia, que lua linda estava, quantas milhares de Estrelas – brincamos de quem via mais estrelas cadentes – e, para completar, para deixar o Edu feliz, a história em ação… Horas a observar aquele mar e tudo ali em volta.

Ficar ali a imaginar o que se passou 500 anos atrás, a saga daqueles grandes navegantes, poder sentir aquele local que foi o início do Brasil é muito bom – Imaginem quando viram os índios na costa?

Que prazer fantástico foi conhecer está praia, o primeiro local oficialmente pisado pelos portugueses. Por sorte os turistas e a maioria dos brasileiros não sabem disso, o que vai possibilitar ainda o local sobreviver com muita energia.

VAI GOSTAR DE LER...